Você sabia que a seleção brasileira já teve treinadores estrangeiros?

Ao longo de sua história, a seleção foi treinada por dois estrangeiros em oportunidades inusitadas

Após Pep Guardiola manifestar interesse em disputar uma Copa do Mundo, o recorrente debate sobre treinadores estrangeiros na seleção brasileira voltou à tona. No entanto, poucos sabem que tal evento não seria nenhuma novidade na história da seleção canarinho.

Em duas ocasiões especiais, a seleção foi treinada por dois treinadores estrangeiros, sendo um português e outro — pasmem — argentino. Curiosamente, ambos os confrontos foram contra a seleção uruguaia — e ambos tiveram vitória brasileira.


A primeira ocorrência se deu por conta da Segunda Guerra Mundial (1939-1945). Na época o Brasil não contava com nenhum treinador desde a saída de Ademar Pimenta, em 1942. A CBD (extinta Confederação Brasileira de Desportos) não tinha planos para nenhuma partida de futebol até que, em 1944, o Brasil ingressou na Segunda Guerra, para lutar contra o Eixo (Alemanha, Itália e Japão).

Diversos jogadores de futebol se alistaram para servir a Força Aérea Brasileira (FAB) e o patriotismo ganhou força no país. Aproveitando as circunstâncias, a CBD decidiu realizar dois amistosos festivos no São Januário contra o Uruguai, uma potência bicampeã olímpica (1924 e 1928) e campeã da primeira Copa do Mundo (1930).

Para assumir o cargo deixado por Ademar, os dois principais técnicos do futebol carioca e paulista foram convidados. Sendo assim, a seleção foi treinada pelo brasileiro Flávio Costa, do Flamengo, e pelo português Jorge Gomes de Lima, o Joreca, do São Paulo. Dentro de campo, o Brasil venceu os dois jogos com sobras, por 5 a 1 e 4 a 0. 

Posteriormente o técnico flamenguista seria efetivado no cargo e treinou a seleção na Copa de 1950, sendo vice-campeão em casa contra o mesmo Uruguai, no famoso jogo do “Maracanaço”.

Anos mais tarde, em 1965, era inaugurado o Estádio Governador Magalhães Pinto, popularmente conhecido como Mineirão. Com isso, foram realizados uma série de eventos que culminaram na Semana da Pátria. Além da estreia entre o combinado da Seleção Mineira contra o River Plate, um novo amistoso entre Brasil e Uruguai foi marcado.

Entretanto, a CBD não havia feito nenhuma convocação e jogadores e comissão técnica não estavam sequer reunidos. Dessa maneira, um convite foi feito para que o Palmeiras — um dos principais clubes da época — representasse a seleção nacional com seus atletas e membros da comissão.

O treinador do Palmeiras era o argentino Filpo Núñez, e os seus comandados venceram uma seleção uruguaia alternativa por 3 a 0, com gols de Rinaldo, Germano e Tupãzinho. A equipe palestrina ainda contava com grandes nomes como Dudu, Djalma Santos e Ademir da Guia.


Até os dias de hoje essas foram as duas únicas ocorrências. Contudo, vale lembrar que a seleção feminina de futebol atualmente é comandada pela sueca Pia Sundhage. Será que em algum dia veremos um técnico estrangeiro efetivado na seleção masculina?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um site ou blog no WordPress.com

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: